BLOG FECHADO

19
Jan 10

             O gelo estalou dentro do copo com um som seco, distorcendo a imagem do balcão de alumínio que sustentava o recipiente. O líquido estremeceu levemente, com a cor rica do âmbar a rebrilhar de forma suave. Sawyer Hayden colocou as mãos em volta do vidro grosso do exterior do copo e girou-o lentamente entre as palmas. Passara a tarde a percorrer relatórios, fotografias, pastas e caixas de provas e material recolhido numa diminuta e esterilizada sala de interrogatórios na sede do FBI. A quantidade de informação que tivera de processar havia-lhe transformado o intelecto numa papa pegajosa que se lhe colava à parede interior do crânio. De qualquer maneira, nada disso havia feito com que o caso do Brilho do Pacífico parecesse mais claro.  Nem mesmo à luz das provas os acontecimentos eram compreensíveis. No entanto, sabia que tinha sido chamado por causa de outro caso, o caso d’A Rainha, e isso fazia com que quisesse voltar para o Texas, para os seus cavalos. Mas sabia que isso não seria possível.

Sawyer passou a mão pelo flanco; um arrepio laminou-lhe a pele. Por baixo da camisa, conseguia sentir a textura rugosa da cicatriz que tinha há aproximadamente sete anos. Era a única recordação palpável que A Rainha lhe tinha deixado, uma cicatriz. A dor física que a bala lhe imprimira havia desaparecido há muito tempo, mas a dor psicológica, as memórias, eram a maior mágoa. Mergulhou o indicador no whiskey e levou-o aos lábios. O álcool trincou-lhe a língua e fez-lhe arder o palato. Empurrou o copo para longe, não ia beber.

            - Sawyer?!

            Ao ouvir aquela voz, quente como café de madrugada, um amplo e dourado sorriso desenhou-se no rosto de Sawyer. Ao virar-se, foi subitamente envolvido num abraço forte e masculino.

            Dexter Hayden tinha braços fortes e musculados, consequência do árduo treino que lhe era imposto pelo treinador. Aos vinte e um anos, era o mais recente jogador dos New York Yankees, e o prodígio da modalidade. Fisicamente, sempre fora parecido com Sawyer, o irmão mais velho, apesar de o seu rosto ser mais infantil e a pele menos morena. A testa alta era salpicada de fios de cabelo loiro como feno, e os fogosos olhos eram mais azuis que as profundezas do Pacífico. O nariz patrício e os lábios simples e bem desenhados concediam-lhe um charme pueril e redondo.

            Sawyer soltou-se do enlace e segurou o irmão pelos braços.

            - Olá, Dex. Não sabia que estavas por Washington.

            O outro sorriu.

            - Estou, esta semana. – dobrou a manga direita da camisa e mostrou a parte superior do membro completamente coberta por uma ligadura cor de carne – Ruptura de ligamentos. E tu? Pensei que andavas pelo Texas.

            Sawyer inclinou a cabeça e contraiu os músculos do rosto.

            - Vá lá, Sawyer. Eu conheço essa cara, é a cara que fazias para os jornalistas quando estavas quase a dizer que não prestavas declarações.

            - Estás a ficar demasiado inteligente, Dex.

            - Não é inteligência, foram todos os anos que passei na mesma casa que tu. Vá, diz-me.

            Uma vaga hesitação.

            - A Rainha. Chamaram-me para dar uma mão num caso.

            - Ela está de volta?!

            - Não. É um caso relacionado.

            Dexter sentou-se ao lado do irmão, cruzando os braços com alguma dificuldade.

            - Tens a certeza que queres fazer isto, Sawyer? Depois de tudo o que aconteceu?

            - Dex…

            - Ela deu-te um tiro.

            De súbito, as imagens apressadas daquele dia encheram-lhe a mente, com cores que ele já não se lembrava que existiam. Os olhos dela, tão azuis como cinzentos, gelados, mudos; a sua voz suave e tépida de encontro à sua pele. Era só isso que conhecia dela; A Rainha não tinha rosto. «Boa noite, Agente Hayden.» dissera ela. E deixou-o cair, com o sangue a pingar viscoso no chão. Vermelho. Rúbeo. Quente.

            - Sawyer?

            - Desculpa, estava a pensar.

            - Ouve, como teu irmão, não quero que te metas numa coisa da qual te podes arrepender. Eu conheço-te, sei que não vais desistir disto, e que o caso vai crescer dentro de ti, tal como da primeira vez.

            Sawyer sorriu. Era verdade, nunca fora homem de desistir, muito menos de abandonar um caso a meio. O irmão conhecia-o suficientemente bem para saber o tipo de coisa da qual ele era capaz. Lentamente, levantou-se e colocou o braço em volta dos ombros de Dexter.

            - Vamos, Dex. Hoje ficas em minha casa.

publicado por Katerina K. às 14:52

adorei ! ainda não li os outros mas gostei do que li.
obrigada pelo comentário, também gosto do teu visual !
Broken Doll ♥ a 19 de Janeiro de 2010 às 20:06

Janeiro 2010
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
12
14
15

17
21
23

25
27
28
29
30



Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

RSS
arquivos
A Banda Sonora dos Rascunhos


MusicPlaylist
Music Playlist at MixPod.com

mais sobre mim
pesquisar
 
favoritos

#5

blogs SAPO