BLOG FECHADO

14
Dez 09

            Jacqueline passou o indicador na linha da pálpebra para retirar uma minúscula poeira de eyeliner. Passou a mão direita, gentilmente, por cima da chama da vela, sentindo a calidez que provinha do pequeno feixe luminoso. Este reflectiu-se nos seus olhos e deu-lhes um brilho surreal.

            - Sabes, Violet, eu, no fundo, sabia que o Paul Carter ia mandar alguém para me matar. Eu sabia dos assaltos dele, dos crimes dele, e ele não me ia deixar viver enquanto eu soubesse essas coisas. No dia em que supostamente morri, a Cornélia estava em minha casa. Ela sabia de tudo, tal como a Leah. Na noite anterior, eu tinha recebido um bilhete do Carter, a pedir-me para ir ter com ele ao sítio onde ele costumava ter as reuniões com os capangas, na Avenue Noire. Dizia que queria resolver as coisas. – sorriu ironicamente – Pois, claro! Eu nunca fui idiota, muito menos crente, e percebi que ele me ia matar, ou pelo menos mandar alguém fazê-lo.

            Violet engoliu em seco.

            - Mas não matou, tu estás aqui.

            Jacqueline levantou o olhar e cruzou as pernas. O seu sapato de verniz refulgiu à luz da vela.

            - Não foi a mim que ele matou.

            Violet Simmons ficou, por um instante, a pensar no silêncio e a ver as palavras desaparecer. Chamou à memória o dia em que tinham todos estado junto à campa de Jacqueline, quando o único som presente era o de Jesse a expelir o fumo do cigarro pela boca. Jesse. Mas, sendo verdade o que Jackie dizia, tinham prestado respeitos a alguém que não era ela, a alguém que estava enterrado com o nome errado; alguém desaparecido nas sombras.

            - Cornélia…foi a Cornélia que morreu.

            - Sim. – Jacqueline acendeu um cigarro pequeno e expulsou o fumo pelo nariz – Foi ela. A Cornélia queria ajudar-me, ir por mim ao encontro com o Carter. Como é óbvio, eu não queria deixá-la fazê-lo, mas ela sempre foi a mais teimosa de nós as três, e acabou por ir, mesmo sem o meu consentimento. Pintou o cabelo de preto, mascarou-se de mim. Levou a minha carteira e as minhas roupas. Na verdade, estava extremamente parecida comigo. Só quem a visse de muito perto perceberia que não era, realmente, eu.

            - Então foi assim que o Raoul não percebeu que o corpo era a Cornélia?

            - Exacto. Para além disso, ele estava muito alterado, o que não proporciona as melhores condições para uma visão exacta.

            - E depois, o que fizeste durante os dois anos seguintes? Porque é que não voltaste para casa?

            Jacqueline não respondeu imediatamente. Parecia perdida, desligada, envolta em recordações. Imóvel como uma estátua, começou a entreabrir os lábios, e destes voaram lentamente palavras baixas e tristes.

            - Não consegui. Foi mais forte que eu. Eu não era capaz de enfrentar a minha irmã, de enfrentar o Raoul. Ninguém me ia compreender, ninguém ia perceber a minha dor.

            - Então preferiste causar dor aos outros?! Desculpa, Jacqueline, mas isto é patético.

            - Patético?! Experimenta a minha situação, põe-te no meu lugar! A minha melhor amiga tinha sacrificado a vida dela por minha causa, por uma arrogância minha. A Cornélia morreu porque eu não fui corajosa e ousada o suficiente! Achas que eu podia voltar para casa e sujeitar-me à rejeição de todos? Fiquei dois anos a viver como incógnita num abrigo para artistas. Lentamente, fui recuperando, aprendendo a viver com a culpa. Ela, com o tempo, tornou-se mais leve. Em Dezembro de 2006, decidi voltar. Arrumei as minhas coisas, despedi-me de quem tinha ajudado, e voltei ao Le Château.

            - E não te reconheceram? – perguntou Violet, franzindo o sobrolho.

            - Não. – respondeu a outra, placidamente – Por incrível que pareça, não. A verdade é que eu tinha crescido e mudado muito, inclusivamente cortado o cabelo. Já não era a mesma miúda pateta, era uma mulher. Quando cheguei, perguntei pelo Raoul. A reposta que me deram foi quase automática, lembro-me muito bem. «O Raoul Lewis já não estuda aqui».

            - Mas porque voltaste nesse Dezembro e não noutra altura qualquer?

            - Por causa do Concurso. Eu sabia que iam estar todos reunidos, e queria ver-vos. Mas isso acabou por ser a minha perdição. Chegou o primeiro dia, e eu escondi-me para vos ver. Esse foi o meu erro. Vi-o, com ela. Estavam felizes. – as palavras dela eram um misto de fumo e voz – Um a um, reparei que vocês estavam em Paris como se nada ali se tivesse passado. Mas isso nem foi o que mais me magoou. Quando o Danny começou a investigar a minha alegada morte, o Carter apercebeu-se. Eu soube que era apenas uma questão de tempo até ele decidir fazer-vos aquilo que tentou fazer-me a mim. Deixei-vos pistas, provas. Mesmo assim, vocês não se aperceberam que eu estava viva. Cheguei a chamar por vocês, no cemitério, mas todos pensaram que era ilusão. Fiquei destroçada, destruída. Nunca pensei que vocês, especialmente o Raoul, me fossem esquecer tão depressa. Durante os três anos seguintes, quis vingança. Quis que vocês passassem pela mesma dor do esquecimento. Planeei tudo, todos os pormenores. Eu sabia que o Raoul vos ia chamar mal eu desse sinais de vida. E assim foi.

            Violet abanou a cabeça, tristemente.

            - Jacqueline, tu dizes que fomos egoístas, que te deixamos na escuridão e na solidão, mas tu estás a fazer-nos o mesmo. Estás a tornar-te naquilo que mais odeias.

            - Ele trocou-me, Violet! Ele substituiu-me, mesmo depois de me ter prometido que era para sempre! Isso a mim soa-me a mentira.

            - Jacqueline…

            Ela levantou-se, e a sua raiva transformou-se em fatal seriedade. Os seus olhos deixaram de refulgir, adoptando um brilho opaco e uniforme.

            - Já chega, Violet. Está na hora de dizer adeus.

 

publicado por Katerina K. às 15:10

Não posso dar uma opinião visto desconhecer a totalidade mas posso deixar um beijinho e desejar-te tudo de bom
100timento a 15 de Dezembro de 2009 às 15:58

Sexta :b
Hoje já postei num blog.
Beijos.
Mudei-me. Tchauzinho. a 15 de Dezembro de 2009 às 17:53

"Engraçado"... a minha freguesia foi a pior, mas parentes meus, doutras freguesias, tem a sua casa pior que a minha.
Mudei-me. Tchauzinho. a 15 de Dezembro de 2009 às 17:57

Muita mesmo :)
Mudei-me. Tchauzinho. a 15 de Dezembro de 2009 às 18:07

hmm.. então estou supersuper-ansiosa ! :3
Catherine a 15 de Dezembro de 2009 às 19:01

Obrigado :) eu devo começar a postar em pouco tempo de certeza :D
já que as férias vão começar e tudo ^^.
cαтн Ϟ a 15 de Dezembro de 2009 às 19:26

O I.pod é genial! Bolas, ainda agora o comprei e já foi muito usado, tem mais funções que o outro!

Tens bom gosto para cores =D
Beijinho *
Gloria a 15 de Dezembro de 2009 às 21:17

Hum, o que temos a dizer sobre este capitulo é que está uma vez mais replecto por mistério. Tivemos um bocado pena da Jackie quando ela contou tudo o que realmente acontecera, mas no fim a mulher tinha de estrgar tudo!
Este capitulo, como já sabes, está lindo e muito sentimental o que nos leva a esperar ansiosamente pelo próximo.

Beijinhos ^^
Twikers k ♥ a 15 de Dezembro de 2009 às 21:37

meu deus do céu ++, deixaste-me completamente babada a ler o comentário .
muito, mas muito obrigada !
cαтн Ϟ a 15 de Dezembro de 2009 às 21:54

é impressão minha ou a maoria dos professores de fq têm a pancada?
meu deus xD
ana a 15 de Dezembro de 2009 às 22:06

Dezembro 2009
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
11
12

15
16
17
19

21
23
26

28


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

RSS
arquivos
mais sobre mim
pesquisar
 
favoritos

#5

blogs SAPO