BLOG FECHADO

08
Nov 09

            A porta estava aberta para trás, escancarada até. O ar resfriado do crepúsculo entrou pela fralda da camisa e acariciou as costas de Edward num sussurro gutural. Encontrava-se tudo insolitamente silencioso, como um local de crime, e longas gotas de chuva dependuravam-se do telhado do alpendre como lágrimas de dor. Na praça, tudo perdera a cor. A água deixara de ser translúcida, tomando um tom que parecia sangue cinzento a rebrilhar à luz nocturna. Jesse, parado na frente da porta, observava a escuridão do interior com o olhar contraído e semicerrado. Completamente trajando de negro, a contrastar com a sua pele fria e branca, o cabelo descolorado a cair em duras farripas sobre o olho direito, destacava-se como maqueta de gente no mundo cinzento que se erguia à sua volta como muros. Pela primeira vez na sua vida, Violet apercebeu-se de que não conseguia pensar. A sua mente era invadida por um estranho torpor que trazia a sensação de morte. Danny aproximou-se dela e pousou-lhe a mão no ombro levemente.

            - Estás bem?

            Ela olhou-lhe a mão de esguelha e, aconchegando aos pulsos por baixo dos braços, respondeu numa voz sumida.

            - Sim, eu estou. Mas ele não. – apontou para Jesse com um indicador nervoso.

            A casa estava vazia. Nem vivalma se dava a conhecer. Jesse, pálido mesmo para a sua habitual tez ténue, observava a fachada, numa estranha procura por algo que não estava lá.

            Leah havia sumido por completo, deixando tudo para trás e a porta aberta. Na entrada da casa, formava-se um pequeno lago de chuva que entrava por entre as falhas das telhas do alpendre. O soalho não tardaria a inchar como um peixe-balão.

            Edward cobriu os ombros de Violet com o seu poderoso braço e manteve-a debaixo da sua fraternal protecção. Ela fechou os olhos e deixou-se levar pela calidez daquele abraço. Ouviu a voz dele, grave e baixa, a envolvê-la.

            - Temos de procurá-la.

            Silêncio.

            - Foi ela, Ed. – a rapariga fitou-o com certeza – Ela veio buscar a Leah. A Leah sabia de coisas que mais ninguém sabia.

            Edward apertou-a mais contra si. A chuva começava a pesar.

            Jesse fitou o chão e baixou-se sem ruído, percorrendo a madeira do alpendre com as pontas dos dedos. Pouco tempo de pois, o seu movimento parou, e os seus dedos agarraram algo como pinças. Erguendo o que havia encontrado à luz do fim de tarde, mais prateada do que colorida, um cabelo negro refulgiu entre a brancura da sua pele – um cabelo longo e espesso, ligeiramente ondulado na extremidade.

            - Oh, sim. – disse Jesse, exibindo um terrível sorriso que fez Violet encolher-se sobre si própria – A Jacqueline esteve aqui. E deixou-nos um presente.

publicado por Katerina K. às 14:27

Novembro 2009
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
11
12
13

15
16
17
18

25
26
27
28



Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

RSS
arquivos
A Banda Sonora dos Rascunhos


MusicPlaylist
Music Playlist at MixPod.com

mais sobre mim
pesquisar
 
favoritos

#5

blogs SAPO