BLOG FECHADO

01
Set 09

Sorri. O Anjo chegara. Tive a certeza quando ouvi a sua voz ecoar nos painéis do vestíbulo. Após uma curta troca de palavras com alguém que presumi ser o mordomo, o seu andar felino dirigiu-se ao escritório onde eu me encontrava. A porta abriu-se e o Anjo entrou no compartimento, com uma expressão ambígua estampada no belo rosto de marfim. Avançou naquilo que quase se poderia descrever como uma atitude furtiva e parou abruptamente a um metro de mim, inclinando a cabeça num movimento treinado e cortês.

            - Bem-vinda ao meu humilde lar.

            Humilde?! Quis rir-me, mas não o fiz.

            - Obrigada, acho eu…

            - Leste o meu bilhete, presumo.

            - Li, mas foi por sorte. Se não fosse a mãe da Ariel, o teu papel tinha ido para a máquina de lavar a roupa, juntamente com só Deus sabe o quê.

            Ele olhou-me, como se estivesse divertido.

            - Agradece à senhora por mim, então.

            Calei-me, observando como a sua presença eclipsava tudo em seu redor. Ele avançou na minha direcção e saudou-me com um beijo nas costas da mão. A habitual farripa de cabelo meio húmida deslizou-lhe pela testa e ficou suspensa na frente dos olhos. O Anjo falou, mas eu não estava a ouvi-lo.

            - Hã? Desculpa, estava distraída.

            - Eu disse que já tinhas tido o prazer de travar conhecimento com o Amadeu, o mordomo.

            - Sim, sim, já. E outra mulher, também fardada de preto.

            - A Graça. É uma das nossas empregadas.

            Assenti, fazendo uma nota mental daquilo que ele tinha acabado de proferir.

            - Este é o escritório do meu pai. – ouvi-o dizer, enquanto olhava através de mim – Quando era miúdo, eu costumava vir para aqui, e o meu pai não gostava. Ele sempre foi rígido com a sua privacidade. Mas como agora trabalha sempre na firma, podemos usar isto como biblioteca.

            Observou vagamente o compartimento, como se se tivesse esquecido que eu ali estava. Percebi que ele estava a falar mais para si próprio do que para mim. Depois, torcendo os lábios num ténue sorriso, devolveu-me a sua atenção.

            - Vem. Vou apresentar-te a minha família.

            Virou-se rapidamente e quase voou para o vestíbulo, com a fralda da camisa preta a adejar atrás de si. Segui-o, tentando acompanhar o seu ritmo veloz. Atravessámos uma porta envidraçada que desembocava num estreito caminho de pedra ladeado por arbustos e árvores. Ao fundo, entre a vastíssima folhagem, eu conseguia ver um outro edifício, este branco e extremamente moderno. Parecia um pavilhão. Fitei o Anjo interrogativamente, mas ele limitou-se a devolver-me um olhar inexpressivo e continuou a andar.

publicado por Katerina K. às 16:58

Setembro 2009
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
11
12

13
16

24
26

28


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

RSS
arquivos
A Banda Sonora dos Rascunhos


MusicPlaylist
Music Playlist at MixPod.com

mais sobre mim
pesquisar
 
favoritos

#5

blogs SAPO