BLOG FECHADO

27
Jul 09

Eu não sabia se havia de ficar assustada ou não. Na verdade, fiquei sem reacção, os meus músculos fizeram-se pedra. Não conseguia emitir nenhum som, em consequência da titânica mão que me cobria a boca. O coração batia-me forte demais na base da garganta, como se me fosse sair do corpo. Os lábios secaram-me, a boca começou a saber-me a ferrugem. Senti as mãos a ficarem suadas. Quis limpá-las às calças, mas não conseguia. Estava em puro pânico, com os olhos muito abertos, sem me conseguir mexer. Os poucos segundos que passaram pareceram-me incrivelmente lentos e longos.

            - Valha-me Deus, Joana! Pensei que te ias estatelar no chão! O que te deu para estares aí encavalitada?

Respirei profundamente. Eu conhecia bem aquela voz e aquele odor quase intenso a colónia de homem. O David descobriu-me a boca para que eu pudesse falar. Virei-me para ele, ainda hesitante do choque inicial.

            - Que susto, tomei-te por um assaltante!

            - Isso digo eu! – disse ele, soltando uma risada rouca e abafada.

Também me ri, inocentemente.

Apesar de já me ter libertado os movimentos, o David mantinha o braço à volta da minha cintura, apertando-me só ligeiramente contra ele. Era difícil perceber se o fazia acidental ou propositadamente.

Naquele minuto seguinte de silêncio, olhei-o no mais íntimo dos olhos castanhos. Neles, apenas vi o reflexo do meu rosto pálido de medo, brilhando na sua íris, na sua retina. Os lábios dele contorceram-se num ténue e tímido sorriso. Se não o conhecesse tão bem, nem me teria apercebido de que ele estava, de facto, a sorrir. Então, ouvi a porta envidraçada da varanda a abrir-se, atrás de mim.

            - Está tudo bem?

            - Sim. – respondeu o David.

Apoiei os punhos cerrados no seu peito e, baixando os olhos, afastei-me lentamente. Observei por cima do ombro quem nos tinha falado. Fora a mulher. Vendo-a agora de frente, notei que era extremamente bonita. O seu rosto era pouco largo e suavemente bicudo, revestido por uma dourada camada de pele perfeita e coroado por uma cabeleira loira cuidadosamente esculpida em largos caracóis dourados. Nos seus olhos cor de âmbar, vi que era mais jovem do que eu tinha julgado. Não passava dos vinte anos, seguramente. Atrás dela, esperei ver o rapaz que a acompanhava anteriormente, mas não se encontravam sinais dele. Assim, desisti de o procurar.

Agarrei docemente o David por um braço e, usando a porta das traseiras, entrámos dentro da casa. Andámos pouco, até ao corredor, talvez. Não media bem os meus passos, já que aquela parte da casa estava mergulhada na mais negra escuridão. Foi nesse preciso momento, quando cravei a ponta dos dedos na pele macia e quente do braço do David, que ouvimos o barulho.

 

 

publicado por Katerina K. às 21:38

Olá Flautista,
Quem sabe, um dia, não publicas um livro...? Porque mereces, perante textos tão bem escritos...
Deixa a tua alma voar até sempre, por entre palavras que são só e apenas tuas...
Sorrisos mil para ti
Ametista a 30 de Julho de 2009 às 11:48

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.


Julho 2009
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

12
13
15
16
17
18

19
20
21
23
24
25

26
28
29
30


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

RSS
arquivos
mais sobre mim
pesquisar
 
favoritos

#5

blogs SAPO