BLOG FECHADO

10
Fev 10

                 Dexter pousou o prato sujo na bancada da cozinha e passou os talheres por água, lentamente, a ver o líquido saltar sobre o metal refulgente. Com um movimento de pulso, empurrou a torneira e o fio transparente que corria até à superfície do lavatório cessou. Limpou a humidade das mãos a uma toalha que pendia da parede e abriu a porta do frigorífico. Uma vaga de ar gélido mordeu-lhe o pescoço e os braços. Perguntou-se como o irmão podia um frigorífico tão vazio; apenas uma lata de soda e uma cenoura solitária se arrastavam nos fundos de uma prateleira. Dexter fechou a porta do electrodoméstico e, através do arco que separava a cozinha do resto da casa, observou a amplidão da sala. O apartamento de Sawyer Hayden, estrategicamente situado no coração de Washington, era alvo de uma luz branca e plana que se reflectia em todos os outros edifícios e entrava pela ampla janela panorâmica em vários ângulos macios e coloridos que se afastavam e subiam pelas paredes. Dexter encostou-se à parede e cruzou os braços com algum esforço; a ligadura apertou-lhe a pele e fez uma pressão tépida sobre o músculo. Ainda lhe custava a acreditar que o irmão, o eterno homem sem pátria, tivesse voltado a casa. Sabia que aquilo que tinha vindo fazer, os assuntos que viera finalmente resolver, mexiam com ele e levavam-no a misturar realidade com ficção. Dexter lembrava-se demasiado vividamente do dia em que o irmão havia sido alvejado. O sangue, tanto sangue. Era fascinante que um líquido tão vermelho, tão refulgente, fizesse a vida tal como ela é. No entanto, no caso de Sawyer, à medida que aquele líquido tão cristalinamente belo corria livremente ao ar ambiente, o homem perdia cor e os seus lábios ficavam frios e secos. A vida desaparecia, como neve debaixo do sol.

                Dexter só se apercebeu da campainha alguns minutos depois de esta ter tocado, insistentemente. De volta à realidade, perguntou-se se alguém saberia que Sawyer estava de volta a Washington. Perguntou-se se A Rainha saberia.

                O homem atravessou a sala, destrancou a porta de entrada e abriu-a.

                - Dexter. Querido Dexter.

                Um par de braços nus, elegantes e pálidos envolveram-lhe o pescoço num laço estreito e quente como fogo. O rosto de Dexter ficou mergulhado numa densa cabeleira negra que cheirava estranhamente a fruta. Ouviu o inusitado tilintar de uns brincos metálicos, de muitos brincos metálicos.

                - Tive tantas saudades tuas, Dex. Nem imaginas.

                - Marianne. – e envolveu-a mais no seu abraço.

                O coração enterrou-se-lhe no peito e vibrou com o pulsar da sensação que lhe percorria as veias. Era como se ela, por alguma ligação simbiótica, o injectasse com uma ardente energia. E o sabor desse poder cresceu dentro dele, igualando o desejo de a ter.

                Marianne libertou-se do abraço e afastou o cabelo do rosto de forma lenta, quase meticulosa. Colocou as mãos em volta dos bíceps de Dexter e respirou profundamente.

                - Não apertes com muita força. – disse ele – Estou magoado.

                Ela recolheu aos mãos rapidamente e dispô-las em cruz sobre o peito.

                - Desculpa, Dex. Realmente o teu irmão tinha-me avisado, mas esqueci-me. Desculpa.

                - O meu irmão? Estiveste com o Sawyer?!

                Ela baixou o rosto. Percebeu imediatamente depois de ter falado que provavelmente teria sido melhor não ter feito aquele reparo. Isto porque Dexter, apesar de idolatrar o irmão até níveis excessivos, até perigosamente elevados, nutria uma certa inveja por ele. Sawyer era o típico dominador, o homem forte que recolhia todas as energias dos outros e as emitia amplificadas. O homem que iluminava o mundo com uma palavra apenas porque era sua. O homem que todos queriam ser. Marianne conhecia-os, bem demais. No entanto, não podia negar que, apesar de nutrir maior afecto por Dexter, Sawyer causava nela outro tipo de emoção, baseada na curiosidade e intriga em relação àquele homem de mil faces que lhe lançava um olhar em branco, à espera de ser preenchido.

                - Estive, sim. – respondeu – Foi só um minuto, para discutirmos um caso. Ou pseudo-caso.

                - A Rainha?

                - Mais ou menos, é complicado.

                Dexter meneou a cabeça.

                - O Sawyer também diz isso muitas vezes. É complicado. Talvez não seja assim tão complicado.

                - Oh, Dex, não sejas assim, já me basta o teu irmão. E não vim aqui para discutir; vim porque tinha saudades e queria passar tempo contigo. Mas, se quiseres, eu vou-me embora.

                - Não. – disse ele, num curto fio de voz – Não vás. Fica.

                Um segundo de macio silêncio. Marianne sorriu.

                - Muito bem, então. Fecha a porta.

 

 

 

 

 

Edit:

A Rita (from Electric Twist) passou-me um desafio. E eu não ia dizer que não, como é obvious.

Enunciar 5 manias suas, hábitos muitos pessoais. E além de dar ao público conhecimento dessas particularidades, tem de escolher 5 bloguistas para entrarem, igualmente, no jogo. Cada participante deve produzir este regulamento no seu blogue.

 

Mania nº 1 - Escrever. Calculo que não seja grande surpresa, mas estou sempre a escrever. Maior parte das vezes são coisas grandiosamente idióticas, tal como novelas de nome «Sangue no Colarinho» ou «Laços de Paixão Ardente», mas de vez em quando saem coisas engraçadas. É a minha maneira de falar com o mundo.

Mania nº 2 - Falar sozinha. Esta mania é consequente da mania nº1. Quando não posso escrever, faço notas mentais, e falar comigo mesma é uma fonte fabulosa e sempre fértil de diálogos incrivelmente interessantes.

Mania nº 3 - Beber café. Não passo sem o meu cafezinho às dez da manhã. O acto de ir à máquina, passar o cartão e carregar no botãozinho do «café expresso» já se tornou um hábito tão intrínseco como respirar.

Mania nº 4 - Pintar as unhas. É estúpido, eu sei, e parece incrivelmente «pitês», mas eu sou viciada. Tenho, sem exagerar, dezenas de vernizes nas prateleiras da casa de banho e do meu quarto, começando no preto, passando pelo vermelho, pelo verde, laranja, amarelo, rosa, azul, até acabar no branco. Relaxa-me, e fico com uns dedos infinitamente mais fascinantes.

Mania nº 5 - Cantar nas horas entre as aulas de música. Esta mania é tradição. Há anos que, nos intervalos da Academia, a minha turma (somos 6) se junta em volta de um piano. É incrível, a sério. Tenho imensas memórias boas desses momentos. Recentemente, andamos ocupados a fazer covers dos covers do Glee.

 

 

E passo o desafio a:

Mariana*

Sophie (dona do Endlessly)

Mia

Ritaa

Kii

publicado por Katerina K. às 22:52

muito obrigada ! e adoro cada vez mais os teus textos
thelastnight a 10 de Fevereiro de 2010 às 23:21

Gostei imenso ;)
Mudei-me. Tchauzinho. a 10 de Fevereiro de 2010 às 23:38

achoo siiim :D
ohhh *-* eu tou a gostar bastante,mesmo nao tendo começado a ler desde o inicio : )
quero maiiiis *w*
beijinhoos<3
littlebilla a 11 de Fevereiro de 2010 às 11:43

Heyy. Como prometi, aqui estou eu. :) Bem, eu gostei tanto deste capítulo *o* Tens aqui frases que até me arrepiaram >.< Olha lá, tens que ver se arranjas um tempinho pra mim :o Acho que ainda não matámos as saudades como deve de ser, oh :c beijinhos.
inês. a 11 de Fevereiro de 2010 às 14:26

Está lindo (:
pαtrýciαtk. ♥ a 11 de Fevereiro de 2010 às 14:28

Eu também senti imensas saudades aqui dos blogs e da tua história!
E o Dexter e a Marianne uhuh, home alone eheh :tt
Olha, passei-te um desafio no meu blog, se o quiseres fazer eheh:3
Beijinhos ^^
Rita a 11 de Fevereiro de 2010 às 16:15

"Era como se ela, por alguma ligação simbiótica, o injectasse com uma ardente energia"
Não há palavras.
Simplesmente de BABAR a mesa .
Mariana* a 11 de Fevereiro de 2010 às 16:43

Confesso... já estava a ficar preocupada com as minhas não leituras no teu blog.
Compreendo, pressão dos testes, trabalhos, professores, pais, amigos, falta de tempo, falta de dormir, falta de cabeça, etc. Acho que é normal nesta altura.

E cada vez gosto mais desta relação personagem-leitor tão especial que consegues criar.
Posso já ter dito isto mil vezes, mas nunca me cansarei de repetir: Adoro!

Bjs Ana

PS. Certamente conheces a série Dexter, com M. C. Hall; foi engenhoso pôr o teu Dexter a pensar de tal maneira em sangue!
Jane Doe a 11 de Fevereiro de 2010 às 18:27

Bem o capítulo está maravilhoso como sempre :D

Será que me podias fazer um favor? É que estes dias não tenho tido muito tempo e se me pudesses fazer o favor de me avisar quando postares...

Bem adorei o desafio. Muito boa ideia a que a Rita (from Electric Twist) teve :)

Jokas
sofiα6B a 11 de Fevereiro de 2010 às 19:05

Weee, mais um capítulo. +.+
Mais uma vez, arrasaste no primeiro parágrafo.
Adorei. Beijinhos. (:
Inées. a 11 de Fevereiro de 2010 às 19:24

Fevereiro 2010
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
11
12
13

15
16
17
18
19
20

21
22
23
24
25
26
27



Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

RSS
arquivos
A Banda Sonora dos Rascunhos


MusicPlaylist
Music Playlist at MixPod.com

mais sobre mim
pesquisar
 
favoritos

#5

blogs SAPO