BLOG FECHADO

20
Jan 10

             Os números verdes brilharam contra o fundo negro do despertador numa luz tímida e intermitente. Uma e meia da manhã. Sawyer virou-se na cama e colocou o braço por baixo da cabeça. Não conseguia dormir. Sempre que fechava os olhos, nem que fosse por um segundo, a sua mente era mergulhada na memória implacável do seu único encontro com A Rainha.

 

            A forte porta circular do cofre estava aberta para trás, encostada à parede cimentada da cave do banco. Sawyer Hayden sentia o peso do silêncio sobre os ombros e o coração a bater insistentemente contra o lado interior do peito. Ergueu a arma, estendendo os braços e contraindo todos os músculos. O tecido da camisa adejou levemente com a aragem gelada que provinha do interior do cofre. A única coisa que conseguia ver era uma longa linha de prateleiras de metal a estenderam-se até à humilde parede branca que marcava o final no compartimento. No entanto, sabia que não estaria sozinho dentro daquele cofre. Sabia que Ela estaria lá. Sabia.

 

            O soalho rangeu suavemente. Pela frincha da porta, Sawyer viu o perfil escuro do irmão a recortar-se na claridade amarela do corredor. Desapareceu, e voltou o negrume. Era bom ter o irmão em casa, depois de todo o tempo que passara sem o ver. Nada fora o mesmo desde a morte do pai, um dos melhores agentes da força policial de Washington DC. A mãe sempre se opusera veemente ao desejo que Sawyer tinha de se juntar ao FBI, mas isso nunca fora impedimento a que essa fome fosse saciada. Com um QI de 184, Sawyer Hayden não era um homem comum. O seu invulgarmente aguçado intelecto permitiam-lhe que discernisse coisas que passavam como vento aos restantes agentes do Bureau. Lembrava-se do caso da morte de Allison May, o qual resolvera pela simples observação de uma fotografia da cena do crime. A essência estava nos detalhes, nas coisas escondidas, nas gotas de sangue que não haviam sido limpas, na posição de uma cadeira, numa folha de papel amarrotada a espreitar da lareira. Havia sempre alguma coisa esquecida, alguma coisa fora do lugar. Mas não fora assim com A Rainha. Com o tempo, Sawyer aprendera a aceitar a sua derrota. Ela era mais inteligente que ele e infinitamente mais analítica; não havia nada de errado com os seus crimes, e isso, ao princípio, consumia-o. Não existiam detalhes, apenas vento e silêncio. No entanto, a ideia que agora o inquietava era outra. Estava reformado há quase sete anos, e perdera toda a prática. Encontrava-se enferrujado, não física mas psicologicamente. Se da primeira vez, quando se encontrava no auge da sua carreira, não a conseguira encontrar, o que faria com que agora conseguisse? Aparentemente, nada estava a seu favor. Nem mesmo o tempo. Olhou o despertador. Duas da manhã.

 

             Viu um vislumbre da figura dela entre o brilho metálico das prateleiras. Ao contornar a parede, escondeu-se atrás de uma coluna e lançou um olhar pela fissura de um armário próximo. Ela nada mais era do que um elegante corpo revestido por uma camada de tecido negro. Do ombro, pendia-lhe uma sacola militar com aspecto pesado. Sawyer sabia que Nebulosa estaria dentro dele. Subitamente, ouviu-a expirar; virou-se de forma lenta e progressiva, como se quisesse propositadamente manter a expectativa até ao último instante. Apesar da mascara que lhe cobria o rosto, era inegável que A Rainha era, de facto, uma mulher. A única coisa que o disfarce revelava era um pujante par de olhos azuis, salpicados de cristais cinzentos, como se flutuassem na retina obstinadamente. Perdeu-se naquele olhar.

            - Boa noite, Agente Hayden.

            Quente. Vermelho. Viscoso. Sangue no chão. O seu sangue. E a voz dela tépida e doce contra a pele.

 

            - Acorda, Sawyer.

            A voz do irmão arrancou-o das memórias. Sentiu o seu toque na pele do ombro.

            - Dex? Que se passa?

            - Não sei bem. Tens pessoas na sala a quererem falar contigo.

            Sawyer içou-se sobre os cotovelos, consultando o visor do despertador. Três e dois da manhã.

            - É um pouco cedo para visitas.

            - Eu sei, eu sei. Em circunstâncias normais, não os deixaria entrar, mas eles insistem que é urgente. E, bem, parecem o teu tipo de gente.

            - O meu tipo de gente? O que é que isso supostamente quer dizer?

            Dexter suspirou.

            - São cinco agentes do FBI.

publicado por Katerina K. às 22:38

Demorei algum tempo ate' me actualizar mas finalmente ja' estou a par de tudo :) A historia esta' cada vez mais emocionante! E mais uma vez, adoro as tuas drescriçoes^^

Espero que continues a acompanhar o meu blog*
Sophie a 20 de Janeiro de 2010 às 22:51

Gostei imenso querida :$ +.+
Andas desaparecida my love :x (?)
Beijos
Mudei-me. Tchauzinho. a 20 de Janeiro de 2010 às 23:31

Com um QI de 184? Génio. Um Sherlock Holmes contemporâneo. Muito interessante.
Violinista a 20 de Janeiro de 2010 às 23:55

gostei muito : )
pαtrýciαtk. ♥ a 21 de Janeiro de 2010 às 14:31

Oh :$ Vá obrigado :b
O melhor da foto é a companhia 8D
SaraFilipaa a 21 de Janeiro de 2010 às 19:06

Oh até nem está nada de jeito aquela fic : )
SaraFilipaa a 21 de Janeiro de 2010 às 19:11

Adorei os flashbacks, para variar. :b
Tão entusiasmante, tão bom. *-*
Beijinhoos. (quero o próximo, para variar)
E ... obrigada (:
Inées. a 21 de Janeiro de 2010 às 19:30

oh deus , cada vez gosto mais :D
cαтн Ϟ a 21 de Janeiro de 2010 às 19:55

pois, também pensei nisso :3
gostei bastante ! 184 de Q.I , wow :')
beijinho
Catherine a 21 de Janeiro de 2010 às 20:21

QI de 184 *O*

Amei. Beijos
sheisnothere a 21 de Janeiro de 2010 às 21:53

Janeiro 2010
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
12
14
15

17
21
23

25
27
28
29
30



Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

RSS
arquivos
A Banda Sonora dos Rascunhos


MusicPlaylist
Music Playlist at MixPod.com

mais sobre mim
pesquisar
 
favoritos

#5

blogs SAPO