BLOG FECHADO

01
Dez 09

            Jesse puxou de um cigarro. Na boca, bailava-lhe o sabor a café preto e nadava-lhe uma réstia, pouco mais que isso, de um sabor ainda mais amargo: o arrependimento. Pela primeira vez na vida, sentia-se arrependido. Mexeu-se no sofá, desconfortável, e cruzou a longa perna esquerda por cima da direita.

            A varanda começava a ser coberta por um nevoeiro cerrado e flutuante, tão denso que parecia sólido. Esticava-se até ao corrimão como se tivesse dedos, como se o vidro não impedisse que ele alcançasse o quarto e o sufocasse com o seu discreto poder. Jesse sabia que aquilo não era bom sinal, que o nevoeiro nunca trazia coisas boas, porque o mal se escondia nos seus braços.

            Danny levantou a cabeça e olhou o outro por cima do ecrã do seu MacBook Air.

            - Vais começar a fumar, outra vez?

            - Não. – respondeu Jesse, encaixando o cigarro entre os lábios sem cor – Só preciso de me ocupar com alguma coisa. Nem sequer tenho isqueiro.

            Danny viu de esguelha a caixa de fósforos que espreitava do bolso do sobretudo de Jesse. Suspirando, dirigiu o olhar para a varanda. Aquele nevoeiro…que coisa estranha. Não era possível distinguir nada do lado de fora, apenas fumaças de névoa e branco. Talvez devessem ter cuidado.

            - O que estás a fazer? – perguntou Jesse, enquanto fechava lentamente os olhos.

            Danny apoiou o queixo no punho cerrado e, antes de responder, inspirou fundo.

            - Nada de mais. Estou só a dar uma vista de olhos às notícias da suposta morte da Jacqueline.

            - Ah, sim? Alguma coisa de interessante?

            - Nem por isso. – passou a mão pelo cabelo – Quer dizer, há um par de pormenores que me intrigam.

            Jesse alarmou-se com o tom de voz de Danny. Abriu os olhos e franziu o sobrolho.

            - Porquê, o que encontraste?

            - Bem, nós sabemos que a Jacqueline não morreu. Mas a verdade é que é impossível ela não ter morrido. Ouve isto: Jacqueline Soleil, jovem concertista de 15 anos, foi encontrada morta num bairro dos subúrbios de Paris durante o dia de ontem, 25 de Maio de 2004. A causa da morte é ainda desconhecida. O alarme foi dado pela única testemunha, Raoul Lewis, de 16 anos, o qual se acredita ter tido uma relação romântica com a vítima. Não foi necessária identificação do corpo. Céline Soleil, irmã da vítima, conhecida intérprete e directora da Escola Nacional de Música, estava visivelmente alterada com o sucedido, acabando por fazer declarações à imprensa nas quais implicou Lewis pelo que havia acontecido.

            Jesse encolheu os ombros.

            - Sim, eu lembro-me de ler isso. Não estou a ver a tua dúvida.

            - Pensa, Jesse. Quer dizer, esta notícia já tem cinco anos, mas há coisas que não batem certo. Por exemplo, se a Jacqueline está viva, como é possível que tenha morrido naqueles subúrbios? E se não morreu, quem morreu no lugar dela? Mais, se então não era ela a vítima, como é possível que o Raoul não tenha reparado? Quer dizer, eles estavam juntos, ele teria reconhecido a Jacqueline a metros de distância.

            O outro levantou-se com uma agilidade sobrenatural, atravessou o quarto e puxou o computador para si. Abriu uma janela de correio electrónico e digitou rapidamente no teclado.

            - O que raio estás a fazer?!

            - Estou a mandar um email ao Michael, preciso que ele me arranje as fotografias do corpo no local do crime.

            A resposta chegou quando alguém bateu à porta com firmeza. Jesse cerrou os punhos e falou, numa voz timbrada e cheia.

            - Entre.

            Michael Collins, sério como a morte, inseriu-se no quarto, determinado. Se tinha corrido até ali, nada o demonstrava, nem sequer a sua respiração se encontrava minimamente alterada.

            - Obrigado por vires tão rápido. – disse Danny, fechando o computador com um estalido.

            - Não há problema, percebi que era importante.

            Jesse estendeu a mão branca e fixou o olhar transparente no recém-chegado.

            - Posso ver as fotografias?

            - Claro.

            O Agente Especial pousou a mala de couro sobre a cómoda e abriu-a. Levando a mão à camada superior de coisas que a ocupavam, retirou cuidadosamente um envelope cor de cordel e colocou-o levemente entre os dedos de Jesse.

            - Obrigado. – disse, enquanto abria o envelope com ambas as mãos e despejava o seu conteúdo sobre a almofada do sofá.

            Inspeccionou as fotografias com ínfima atenção, rejeitando as que não lhe serviam ao atirá-las para o chão com um movimento elegante. Michael seguia os seus gestos com o olhar, não conseguindo deixar de transparecer uma pontada de irritação.

            - De que é que estás a procura?

            - Espera.

            Subitamente, Jesse imobilizou-se, ficando a fitar a fotografia que tinha nas mãos sem sequer piscar os olhos. Danny, de lábios entreabertos, aproximou-se para conseguir ver a imagem claramente. Um sorriso ensombrou os lábios do outro ao apontar a parte da fotografia que ilustrava o corpo.

            - Diz-me, Danny, se isto te parece a Jacqueline Soleil.

            Após um minuto de estudada observação, Daniel King levou as mãos ao rosto e exclamou:

            - Meus Deus…Cornélia!

publicado por Katerina K. às 13:32

FIRST.
inês. a 1 de Dezembro de 2009 às 13:50

obrigada, vou ler :)
megan a 1 de Dezembro de 2009 às 13:52

omg, há tanto que não era a primeira. fiquei contente por isso *o*
o capítulo está perfeito. tanto mistério, tanto suspense, tanta beleza. *.*
és a melhor, Flautista.
inês. a 1 de Dezembro de 2009 às 13:53

Voltou simm ^^
jujuu ♥ a 1 de Dezembro de 2009 às 14:57

sim zon (a)
Daniela a 1 de Dezembro de 2009 às 16:00

Teimosia é bom haha
Lary P. * a 1 de Dezembro de 2009 às 18:15

Eu acabei o trabalho de mat mais cedo por isso vim dar uma vista de olhos neste vicio. E agora vou para o de Fisico Quimica. *O*!
:o Cornélia!
Adorei mesmo mesmo muito :)
E agora quero mais mas só volto sexta ao pc :__________________:
- Beijos <3
Mudei-me. Tchauzinho. a 1 de Dezembro de 2009 às 18:44

aquele menino é assim :$ uma jóia e um fofinho :$$
Daniela a 1 de Dezembro de 2009 às 20:35

Hay, actualizada e tales, bem *-*
gosto imenso de como escreves *-*, admiro a tua escrita :D
phillipa a 1 de Dezembro de 2009 às 21:54

mas este nem sempre o foi :$
Daniela a 1 de Dezembro de 2009 às 22:11

Dezembro 2009
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
11
12

15
16
17
19

21
23
26

28


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

RSS
arquivos
A Banda Sonora dos Rascunhos


MusicPlaylist
Music Playlist at MixPod.com

mais sobre mim
pesquisar
 
favoritos

#5

blogs SAPO